Quem precisa de um amante?

Você acreditou que todo aquele tesão que ele sentia era por você?

Ficou imaginando, como um “coroa” mal cuidado e completamente fora de forma podia ter tanta virilidade quando o seu marido, que é bem mais novo, não consegue mais corresponder às suas expectativas na cama?

Nem por um momento pensou na possibilidade de o lobão estar ali, por estar sendo relegado pela mulher que não o deseja mais, por ele ser um doido dentro de casa, porque ele é um homem relaxado com sua aparência, porque pra ela, ele mostra todos os seus odores, calores e horrores. Nunca parou para pensar que este gavião de bico afiado estivesse mentindo até a última pena quando te disse que estava separado, que seu casamento havia acabado? Nunca desconfiou que o pobre coitado estivesse ali com você, entupido de drogas para manter a ereção, te usando para se auto-afirmar e garantir uma imagem de homem poderoso, apesar de as aparências denotarem o contrário?

Você é cega? Você estava “precisadinha” mesmo hein? Tava “jogadinha” fora também? Ou precisa, eventualmente, reabastecer o ego, a vaidade? Já sei! Deu muita bobeira no casamento, ficou um tempão estudando ou cuidado dos bebês, deixou o maridão de lado, engordou e hoje ele te despreza? E agora, apareceu um bobo, largado também, o único que olhou pra você e… Você está se achando, não é?

E você, acreditou que arrancou mesmo dela, todos aqueles gemidos, grunhidos e suspiros que caracterizam um orgasmo louco e extasiante o qual o marido dela não é e nem nunca foi capaz de proporcionar? Acreditou mesmo quando ela te chamou de garanhão, maravilhoso, gostoso e quando ela disse que jamais sentiu algo assim? Que você é doce, romântico, cheiroso, carinhoso e sensível.  Não se sentiu mal ao ouvir dela que o marido é um grosso, que só pensa em futebol, que come como um animal, que está sempre nervoso e impaciente e que você é um encanto? Nem por um momento, suspeitou que ela em casa seja uma mulher chata, implicante e desanimada para o sexo com o marido e que esteja te dando sexo somente para aproveitar uns momentos de ilusão ao seu lado? Ou que espera que você sacuda a varinha de condão e mude para sempre a vida dela? Para ouvir de você o que não ouve do companheiro a muito tempo? Já parou para pensar se em casa ela não é uma maluca que grita com as crianças? Que compete o tempo todo em o quanto é uma super profissional, bem melhor que o marido? Sabe-se lá o quanto é difícil a vida econômica e financeira que ela leva ao lado dele e que viu em você – homem de classe, bem sucedido, “o cara” – uma oportunidade de viver uma vida de rainha?

Quem precisa de um amante?

Não é de sexo que vocês precisam? Vocês são “gente de verdade”? Vocês são pessoas maravilhosas, honestas e infelizes em suas vidas atuais e Deus vai abençoar este encontro para sempre? Não? Não é nada disso? Vão só dar uma fugidinha e como são muito espertos, vão enganar seus companheiros e viver momentos lindos e agradáveis nos braços um do outro. Ai que saudade de beijar na boca, não é? Você cuida da sua boca para o seu parceiro? Chupa um chicletinho sempre que está perto dele também?  Faz charminho, fala baixinho, é elegante?  Com o outro, você nem tem necessidades fisiológicas básicas, não é mesmo?

Mas que conversa fiada é esta afinal? Porque que é que as pessoas chegam a precisar de um amante? Porque as pessoas precisam buscar, fora do mundo delas, e fora delas, “certezas” que as fortalecerão, que as farão sorrir e sonhar, por um átimo de tempo, que são pessoas especiais para alguém? A ilusão dos amantes é algo patético às vezes. O ser humano é muito engraçado. Porque precisamos viver fantasiosamente, escondendo nossas fraquezas, fazendo-nos de fortes e especiais, para outros seres humanos que não sabem nada de nós? É aí que está a graça? Porque não podemos ser felizes dentro de uma verdade? Porque o agora, o verdadeiro, não pode ser gostoso e leve?

Por que ele não está me querendo mais? Por que tanto atrito? Pode ser que ela seja apenas volúvel e sem retidão. Por que não?

As pessoas precisam de amantes por vários motivos. E ter um amante, não é algo tão ruim quanto pareceu no discurso acima.  Um amante, quando escolhido com cuidado, quando cultivado com responsabilidade, pode trazer muitas alegrias a alguém que luta pela felicidade própria e pela felicidade da vida conjugal e que, por mais que se esmere, não consegue fazer com que o parceiro, participe da empreitada de viver feliz dentro do casamento. E quando o motivo é este, pode apostar, vai dar certo. Caso contrário, atendendo apenas a uma leviandade, vai acabar tão rápido quanto começou.

Mas ter um amante, não é em si, o grande problema. O grande problema está em como viver esta circunstancia. É preciso, acima de tudo e principalmente, ser inteligente. Pense comigo. Está certo, você já ter tantos problemas, decepções e desilusões dentro da sua relação e por desespero, se envolver com uma pessoa qualquer? Com um idiota qualquer? E falar de amor então, com alguém que nem ao menos, assim como você, conseguiu manter o amor na sua relação oficial? Falar de amor com alguém que é somente uma válvula de escape para a droga de vida em que se deixou chegar? Isso é demais.

Quem busca um amante, na grande maioria das vezes, não deseja se separar da pessoa com quem vive. Por vários motivos. E, não será possível citar todos aqui, mas um muito forte e preponderante – pasme – é o amor que ainda se sente pelo parceiro da vida inteira, mas que não se pode admitir naquele momento. A vida está desgastada, os dois estão cansados, se estranhando, enjoados um do outro, um evoluiu e o outro não. Estão distantes, a crianças interferindo demais, quase que separados mesmo, mas lá no fundo, lá no fundinho mesmo, não queriam que nada disso estivesse acontecendo. Não acredita que possa ser assim? Isto é clássico entre os casais que, como pobres seres humanos, não analisam suas fraquezas e necessidades, misturam tudo, fazem uma grande confusão, não lutam por uma vida melhor e imediatistas que são, partem para as aventuras que os farão acreditar que não precisam atender a nenhuma solicitação, que não necessitam trabalhar, que tem alguém capaz de amá-los incondicionalmente sem pedir nenhuma mudança, nenhum tipo de comportamento que o sacrifique. Alguém que seja sempre alegre, descontraído, quente e principalmente, calado.

Ter um amante pode ser necessário, mas é imprescindível que as situações sejam separadas. Um amante vem para suprir um ponto dentro da sua vida. Caso contrário, você se separaria corajosamente do seu parceiro e recomeçaria com outra pessoa. Podemos pensar assim?

Se o ponto for sexo, que tal tomar cuidado para não se apaixonar e sair por aí como uma mariposa enlouquecida e infantil, que atende a impulsos e se acha no direito de invadir a vida doméstica da pessoa que entrou nessa com você, telefonando a qualquer hora, enviando “torpedinhos românticos” a qualquer momento do dia ou da noite, como se o seu “caso” já fosse uma propriedade sua. Que petulância.

Se o seu problema for de afetividade, se você fez e aconteceu dentro do seu casamento e perdeu o carinho, a amizade, a atenção e o respeito do seu companheiro, se ele neste momento, de tanto que você aprontou, não o deseja mais, se está com antipatia de você, por favor, ao optar por um amante, se controle e não fique igual a um demente, se achando o espertalhão do momento, escondendo celular, usando perfumes, roupas intimas melhorzinhas, se depilando, malhando, fazendo coisas que há muito não faz pela pessoa que vive com você.  Demonstrando o quanto está feliz e não precisa do parceiro. Não fique dando bandeira. Afinal o que você quer, viver sua aventura ou chamar a atenção, da forma mais errada que pode existir, para que ele volte a te amar?

Há outros fatores pelos quais se busca um amante, mas são óbvios demais e eu não quis mesmo trazer aqui dessa vez.  Falta de caráter, é o mais anunciado e discutido, mas não é o caso agora.

Então está bem. Você precisa mesmo de um amante! Não tem como se desvencilhar do casamento. Não ama mais mesmo, aquela pessoa. Optaram por um casamento de fachada. Tem os filhos, o patrimônio… Ou, ninguém optou por nada, mas o casamento morreu ninguém saiu dali, todo mundo se fazendo de sonso… Tudo bem! Você precisa mesmo de um amante? Por favor, seja inteligente, seja caridoso, seja cuidadoso e tenha certeza de uma coisa: Se você não é livre, se tem uma família, alguém vai sofrer por causa da sua opção.

Sendo assim, se você precisa mesmo ter um amante, escolha com cuidado uma pessoa que tenha as mesmas necessidades que as suas, que seja maduro, discreto, que se preocupe em não ferir e que não seja possessivo. Que seja EQUILIBRADO e essencialmente educado. Abrir porta de carro e puxar a cadeira para as damas são apenas artifícios para impressionar.

É possível, muito possível, relações paralelas se manterem por uma vida inteira e proporcionar as pessoas que sofrem e que são aprisionadas a circunstâncias de toda ordem, momentos de muita alegria, relaxamento, prazer e amizade. Neste caso, são verdadeiros elixires para suportar as dificuldades domésticas e conjugais.

Amantes devem ser cúmplices e muito honestos entre eles. Amantes devem estabelecer os critérios e os motivos para manterem sua opção. Devem ter sempre em mente, que não estão fazendo a coisa mais certa do mundo e que arcarão com o ônus de suas fraquezas, não podendo compartilhar em tempo integral, tendo de suportar a saudade e a enorme vontade que às vezes sentem de estarem juntos, porém, com responsabilidade é possível, já que o preferível não foi.

 

É só mais um ponto de vista. Mande o seu, vamos compartilhar.

Um abraço carinhoso.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *